28.4.11

Resultado do sorteio

Olá pessoal!

Demorou, mas saiu o resultado do sorteio "Paixão e Liberdade".
Esse foi o primeiro sorteio do blog que atrasou, pois tive que viajar de última hora e fiquei sem acesso à internet. :( Como criei o formulário com a minha senha, a tadinha da Lidiane não pode acessar para realizar o sorteio para vocês...

Bom, então vamos lá!! Aí vai o resultado:




Parabéns às ganhadoras!
Cada uma irá levar para casa um volume do livro + marcador combinando. \o/
Espero que vocês gostem!!

Vou enviar e-mail agora para as sortudas. Se elas não responderem em 48h, irei sortear outros números.

Agora preciso ir... tive que passar correndo hoje por aqui.

Obrigada a todos que participaram e que ajudaram a divulgar!! :)
E mais uma vez peço desculpas pelo atraso...

20.4.11

Comer, rezar, amar

Ahh pensaram que eu tinha ido embora junto com o Roxette é?! Bem que pensei na possibilidade... Mas, não sei se eles iriam querer levar mais uma mala com eles. Então, acabei ficando.

Na verdade, sumi nesta semana porque passei “comendo, rezando e amando”. Então, se ainda não retribuí o teu comentário não é por maldade não... Longe de mim! Mas, por forças maiores! Acho sinistra esta frase, mas tudo bem... está de acordo com o momento.

Terminei de ler o livro “Comer, rezar, amar” de Elizabeth Gilbert.

Tive o prazer de lê-lo graças à Ro, do grupo Livro Viajante lá do Skoob.
Ela mandou o seu livro para viajar e ele veio parar aqui na minha casa!
Além do livro, ela também enviou de presente uma fitinha do Nosso Senhor do Bom Fim. Fitinha ultra original, da Bahia!! Já estou usando a minha e também já fiz três pedidos... Quais são eles?! Juraaa que vou contar! Mas, podem ficar tranquilos, não pedi nada macabro.

Então chega de papo furado e vamos à sinopse do livro:
Quando completou 30 anos, Elizabeth Gilbert tinha tudo que uma mulher americana moderna, bem-educada e ambiciosa deveria querer um marido, uma casa de campo, uma carreira de sucesso. Mas não se sentia feliz: acabou pedindo divórcio e caindo em depressão. "Comer, Rezar, Amar" é o relato da autora sobre o ano que passou viajando ao redor do mundo em busca de sua recuperação pessoal.

Bom, vou ter que iniciar dizendo que simplesmente adorei o livro!
Eu estava meio preocupada, achando que não iria gostar coisa e tal, devido às resenhas que li. Mas, muito pelo contrário, adorei!

A história é sobre a escritora Elizabeth, sim a própria autora, que termina o casamento, enfrenta uma dura depressão e sai a viajar pelo mundo, ou melhor, pela Itália, Índia e Indonésia.

A obra me despertou vários sentimentos diferentes... Em alguns momentos eu ficava com raiva da autora por sofrer tanto por amores perdidos. Eu tinha vontade de dizer para ela ter um pouco de auto-estima e de parar de mendigar atrás dos caras! Deixa eles em paz e vai viver a tua vida, por favor!!! Se não deu certo, fazer o quê?! Ficar chorando?? Sim, era exatamente isso que ela ficava fazendo.

Em outros momentos, eu me identificava muito com ela!

E, ainda, tiveram momentos em que eu pensava “Nossa, que corajosa!! Eu admiro esta mulher!”

O livro é narrado em primeira pessoa, fazendo com nos sintamos lendo o diário de Elizabeth. Adorei a descrição que ela fazia dos lugares, das culturas e, também, das pessoas que ela conhecia nas viagens.
A narrativa é bem-humorada, a leitura flui de forma gostosa. Tiveram algumas partes que foram cansativas para mim, pois ela ficou muito tempo em cima da Yoga, do Deus dela, etc. Mas, acredito que para os praticantes de Yoga deve ter sido bem legal.

Além da história super gostosa, considerei o livro como um guia turístico e, também, como sendo um pouco de auto-ajuda.

Como diz na contra capa, “Comer, rezar, amar” é um livro que todas as mulheres deveriam ler. A meu ver, principalmente as com mais de 30... Acho que o público teen não vai gostar da leitura. Requer mais maturidade e vivência...

Quem já passou pela dolorosa experiência de um divórcio também deveria ler. Ah e aquelas que estão querendo encontrar um novo amor, conhecer novos lugares, crescer espiritualmente, fazer novas amizades ou chutar o atual marido ou namorado também deveriam ler. Enfim, acho que a mulherada realmente deveria ler este livro!!

Para as maiores de 30, super recomendo!!!

Avaliação:



Skoob:
http://www.skoob.com.br/livro/1168

Ainda não assisti ao filme com a Julia Roberts que, por sinal, acho ela perfeita para o papel! Vou aproveitar para assistir no feriadão. Depois falo para vocês o que eu achei...

Entãooo, feliz Páscoa galera!!!!!!!!!

Bom feriadão para todos que passarem por aqui! \o/
Mas, por favor, não passem todos empipocados ou cheios de espinhas por causa do alto consumo de chocolates. Me poupem de uma visão macabra dessas... O.o

Ah, e em vez de ficarem só se entupindo de chocolates (aiii que coisa boa, eu sei que é!!), aproveitem para conhecer o novo lançamento da Editora Fundamento - Cherub.
Este livro promete gurizada!!



Agora sim, fui!!!

14.4.11

Roxette - eu fui!! \o/

Oi gente!!

Quem vai ao show do Roxette aí??

Começou nesta terça-feira, em Porto Alegre, a turnê da banda sueca no Brasil.

Escuto Roxette desde os meus 12 anos de idade, então eu não perderia a oporunidade de conhecê-los pessoalmente por nadaaaa!!!!!!!!!!!

O início foi um massacre... duas horas de espera em uma fila imensa, mais de uma hora dentro do Pepsi On Stage completamente esmagada aguardando o início do show que, quando iniciou, UAUUUUU!!! Todos os males foram para o espaço!

Posso dizer com toda certeza: FOI O MELHOR SHOW DA MINHA VIDA!!!

O show durou duas horas!! E eles tocaram todas aquelas músicas clássicas que adoramos, tais como: Dangerous, How Do You Do, It Must Have Been Love, Joyride, Listen To Your Heart, Sleeping In My Car, The Look, Spending My Time, etc.

Eles são uma simpatia só! Vocês não tem ideia!
O guitarrista inclusive tocou o hino do Rio Grande do Sul.

A qualidade do show é incrível! É como se você estivesse escutando um cd da banda.
A voz da Marie é linda demais!!! Resumindo... eles são SENSACIONAIS!

Se o Roxette vai passar pela sua cidade, não perca de jeito algum!!

Aí vão 10 motivos para você não perder o show de Roxette no Brasil:

Faz onze anos que a banda não passa pelo País e dezesseis em que não se apresentam por aqui. Sua última aparição foi durante a divulgação do álbum “Have A Nice Day”. Convenhamos, é tempo demais sem ouvir os grandes clássicos e umedecer os olhos com “Fading Like A Flower”.

Se você é dos anos 80 e tem irmãos dos anos 70, com certeza seu primeiro contato com música internacional foi balbuciando o trecho de “Yeah Yeah Yeah” de “Dressed For Success” – Hit que permaneceu inúmeras semanas no Hot 10 australiano e que faz parte do segundo disco da banda; “Look Sharp”. E adivinha qual a música da abertura da nova turnê?

“Spending My Time” foi quase um “fiasco” nos Estados Unidos, enquanto no resto do mundo, a música esteve entre as 10 mais executadas do período – e até parece que o Brasil não tocou essa música até decorarmos a letra!

“Charm School”, que é o 9º e mais recente disco de estúdio da banda, alcançou o pódio dentre o Hot 10 da Europa.

Marie Fredriksson, vocalista principal do duo, por pouco não partiu dessa para melhor. No ano de 2002 a cantora descobriu horas antes de um show que possuía câncer cerebral. Isso quase a tirou do mundo da música e por pouco não existiria mais Roxette.

Além dos nove álbuns de estúdio, Roxette individualmente são donos de mais de 22 discos lançados em carreira solo. A maioria suecos, mas ora, são 22 álbuns.

Roxette foi a primeira banda internacional – fora dos Estados Unidos e sem a língua inglesa como mãe – a gravar o MTV Unppluged, conhecido no Brasil por “Acústico MTV”. A apresentação se tornou um DVD com mais de 20 faixas e entrevistas.

“It Must Have Been Love”, além de ser trilha do filme “Uma Linda Mulher”, é a música que mais simboliza a banda no mundo. A canção foi gravada em inglês e espanhol (No Sé Si Es Amor), além de mais 7 línguas na voz de outros cantores, incluindo uma versão sueca. A faixa ainda é considerada o melhor hit da história da música, segundo a Billboard, que a classifica em seu Hot 100 de todos os tempos.

“Listen To Your Heart” que embalou muitas cartas de amor, e que há alguns anos atrás te fez balançar os esqueletos numa versão trance, feita pelo grupo Belga, DHT, foi premiada como a melhor versão remix de faixa original e reviveu a audiência lançando uma versão acústica. O single regravado somou a versão original três milhões de execuções, fazendo a música ser a mais executada nos últimos dezessete anos.

10º Como a recuperação da remoção do câncer de Marie não é plena, ainda não se sabe ao certo o rumo que a banda pode tomar. Esta poderá ser sua última chance de ver Roxette se apresentando em palco, não só no Brasil, já que a cantora tem se dedicado ao seu lado desenhista, esposa e mãe.

Fonte: Focka

Datas dos shows:

A banda se apresenta hoje e 19/04 em São Paulo, 16/04 no Rio de Janeiro e 17/04 em Belo Horizonte.

Para finalizar o post, deixo abaixo o clip de uma das minhas músicas preferidas. Quem assistiu "Uma Linda Mulher" com a Julia Roberts, provavelmente lembra... :)


11.4.11

Quando Cai o Raio

Oi pessoal!

Como vocês estão?
Espero que tudo bem. :)

Há alguns dias li o meu primeiro livro da Meg Cabot, Quando Cai o Raio.

O que eu achei? Sinceramente? Esperava muitooooo mais.

Não sei se foi esse livro ou se realmente é a autora... Só sei que achei tudo muito bobo e superficial. Isso que eu adoro livros infanto-juvenis e YA...

Quando olhei no Skoob, vi a maioria dando 4 e 5 estrelas para o livro. Confesso que fiquei surpresa!

Bom, vamos à sinopse:

Mandaram que eu escrevesse um relato, em primeira pessoa, sobre o que aconteceu comigo, falando toda a verdade e nada mais do que a verdade. Então tá. O que aconteceu comigo: fui atingida por um raio. Tudo culpa da Ruth, que resolveu que queria voltar da escola andando, para queimar uns quilinhos... Acabou que eu é quem fui queimada. Ninguém acreditou em mim, nem eu mesma, pra ser sincera. Eu não estava me sentindo mal, não tinha nenhuma marca ou machucado... Nem estava chamuscada! Mas logo as coisas começaram a mudar. Quando acordei no dia seguinte, de alguma forma sabia onde estavam as duas crianças cujas fotos estampavam a caixa de leite, aquelas do Disque-Desaparecidos, sabe? Pois é. Eu tinha certeza absoluta sobre onde elas estavam. O problema é que eu achava que estava fazendo uma coisa boa! Liguei para o Disque-Desaparecidos e avisei à simpática senhorinha onde estavam essas duas crianças, e depois mais outras... Até que dois não-tão-simpáticos agentes federais apareceram na minha escola para conversar comigo. Até parece! Agora sou foragida da justiça, tenho que ajudar um dos meninos que foram encontrados e ainda preciso disfarçar o quanto o motoqueiro da sala de detenção mexe comigo... Ainda bem que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar... Certo?

A personagem principal chama-se Jessica, mais conhecida por todos como Jess, tem 16 anos e possui uma vida adolescente praticamente normal. Ela é uma menina brigona, que não leva desaforo para casa e, em vista disso, vive visitando a sala do diretor e tendo detenções na escola. Em uma dessas detenções ela conhece Rob, um bad boy, por quem acaba se apaixonando.

Um dia ao sair da escola, mesmo o tempo estando para chuva, Ruth, sua melhor amiga, a convence a ir a pé para casa, já que Ruth quer emagrecer e se exercitar. No meio do caminho, começa um temporal, elas se escondem embaixo de uma arquibancada e um raio atinge Jess.

A partir de então, Jess desenvolve o poder de encontrar crianças desaparecidas. No outro dia, após ter sido atingida pelo raio, ela simplesmente sabia onde estavam as crianças que possuem a foto na caixa de leite. Então ela liga para o número da caixa de leite e a aventura começa.

Como sempre, não gosto de revelar muitas coisas para não estragar a leitura de vocês... Então, vou parar por aqui.

O que mais posso falar é que a leitura é muito fácil, você lê o livro em poucas horas. Além disso, é curtinho... então a leitura é muito rápida.

Achei os personagens divertidos e gostei da família da Jess, com exceção da mãe que, como na maioria dos livros adolescentes, é um pouco surtada. Acho nada a ver isso... Meio forçado sabe? Eu, por exemplo, não conheço muitas mães surtadas. Mas, nos livros adolescentes, a maioria é... Às vezes acho que é algum trauma dos autores... :p

A trama achei boba e o fim fraco. Como todo mundo vive falando nesta autora, imaginei que as suas obras fossem 1000 vezes melhor.

Quando Cai o Raio é o primeiro livro da série Desaparecidos. Como não me conquistou, não pretendo ler a continuação... Mas, para quem gosta da Meg Cabot ou de leituras leves, fica aí a dica.

Avaliação:



Skoob:
http://www.skoob.com.br/livro/150640

Boa semana!! \o/

7.4.11

Desventuras em Série - Mau Começo

Oi gente!

Quanto tempo!! Mas, o sumiço tem motivo, quer dizer tem nome... “desventuras em série”.

Tem acontecido tanta coisa macabra nestes últimos dias, que não consegui passar por aqui.
Foram tantas coisas ruins e em série, que acabaram fazendo com que eu me lembrasse dos irmãos Baudelaire...

Vocês já leram a coleção de livros “Desventuras em Série”, de Lemony Snicket?

Nossa, é muito fofo! E, ao mesmo tempo, é sinistro.

Até agora li apenas os dois primeiros volumes, sendo que são treze no total.
Tenho lido um por semana, então espero que daqui a onze semanas eu termine de ler toda a coleção.

O primeiro livro da série chama-se “Mau Começo”. No primeiro capítulo você já entende o porquê do título...

Vamos à sinopse:
Mau Começo é o primeiro volume de uma série em que Lemony Snicket conta as desventuras dos irmãos Baudelaire. Violet, Klaus e Sunny são encantadores e inteligentes, mas ocupam o primeiro lugar na classificação das pessoas mais infelizes do mundo. De fato, a infelicidade segue os seus passos desde a primeira página, quando eles estão na praia e recebem uma trágica notícia. Esses ímãs que atraem desgraças terão de enfrentar, por exemplo, roupas que pinicam o corpo, um gosmento vilão dominado pela cobiça, um incêndio calamitoso e mingau frio no café da manhã. É por isso que, logo na quarta capa, Snicket avisa ao leitor: "Não há nada que o impeça de fechar o livro imediatamente e sair para uma outra leitura sobre coisas felizes, se é isso que você prefere".

Em “Mau Começo” os irmãos Baudelaire, devido a algumas desventuras tristes, precisam ir morar com um parente que nunca ouviram falar... o conde Olaf.

Conde Olaf torna a vida dos irmãos um pesadelo! Os explora, humilha, maltrata e ainda quer colocar a mão na herança deles. Então, começa a planejar e a realizar planos mirabolantes para colocar a mão na grana das crianças.
O que acontece não posso falar para não estragar a história. Mas, o que eu posso dizer é que a série é uma leitura super gostosa e divertida.

Os livros são voltados para o público infantil. Possuem uma narrativa leve, divertida e ilustrações fofas. Além disso, os livros são super pequenos. Você pode ler um deles em poucas horas.

Provavelmente vocês já assistiram ao filme “Desventuras em Série”, estrelado pelo Jim Carrey.
Depois que a gente assiste ao filme fica impossível não imaginar o Jim Carrey no papel do conde Olaf, ele é perfeito!!
O filme é a uma síntese dos três primeiros livros, por isso é um pouco confuso. Mas, mesmo assim, é bem parecido com as obras.

Aí vai o trailer:



Então, fica aí a dica para quem quer passar uma tarde agradável ou tem filhos ou é uma criança grande assim como eu.

E se um dia começar a dar tudo errado em sua vida lembre-se dos irmãos Baudelaire. Estes sim realmente vivem “desventuras em série”...

Avaliação:



Skoob:
http://www.skoob.com.br/livro/641

1.4.11

A Mulher do Viajante no Tempo


Hoje vou falar sobre um livro muitooo legal que tive a honra de ler através do grupo Livro Viajante do Skoob: A Mulher do Viajante no Tempo, de Audrey Niffenegger.

Gente, vou dizer uma coisa para vocês... Este foi o melhor romance que já li na vida!!

Nossa, o livro é lindo demais!

Faz um tempão que quero lê-lo, mas sempre fui deixando para depois devido ao preço. Mas, agora que eu o li, cheguei à conclusão de que preciso tê-lo em minha estante!

Vamos à sinopse:

Henry sofre de um distúrbio genético raro. De tempos em tempos, seu relógio biológico dá uma guinada para frente ou para trás, e ele se vê viajando no tempo, levado a momentos emocionalmente importantes de sua vida tanto no passado quanto no futuro. Causados por acontecimentos estressantes, os deslocamentos são imprevisíveis e Henry é incapaz de controlá-los. A cada viagem, ele tem uma idade diferente e precisa se readaptar mais uma vez à própria vida. E Clare, para quem o tempo passa normalmente, tem de aprender a conviver com a ausência de Henry e com o caráter inusitado de sua relação.

O livro inicia com Clare ansiosa "conhecendo" Henry na biblioteca onde ele trabalha. Assim que o vê fica super empolgada e o convida para jantar. Ele fica desconfiado... será que ela me conhece de alguma outra época? A resposta é sim, mas ele ainda não sabe disso.

Henry é portador de um distúrbio genético que o faz viajar no tempo. Ele pode estar no presente, bem como acordar em 1977 ou em 2001.

Em uma dessas suas viagens ele conhece Clare, que tinha apenas 6 anos de idade. A partir daí, as suas vidas ficam amarradas para sempre.

O início do livro é um pouco confuso, pois ainda não estamos acostumados com a vida peculiar do personagem. Em um momento diz que ele está com 26 anos em 1990 e, em seguida, diz que ele está com 41 anos em 1992... Mas, com o passar os capítulos, tudo começa a fazer sentido e você penetra cada vez mais no estranho mundo de Henry.

A autora escreve maravilhosamente bem! E o romance é de tirar o fôlego!

Os personagens são profundos e a história é emocionante.

Adoro histórias em que os personagens são crianças e vão crescendo, ficando maduros. A Mulher do Viajante no Tempo é exatamento assim. A gente conhece Clare e Henry crianças e, aos poucos, vai sabendo tudo de suas vidas até a velhice.

A autora descreve super bem todas as etapas da vida dos personagens... a infância, a adolescência, a idade adulta, as dificuldades de um casamento, as amizades, os problemas que eles tem que enfrentar devido ao distúrbio de Henry, etc.

Um fato curioso é que conforme você vai lendo a história, várias coisas vão ficando em aberto. Mas, quando você vai chegando ao fim, tudo começa a se encaixar como se fosse um quebra-cabeça perfeito! A autora conseguiu atar todas as pontas, não deixou nada de fora.

O final é lindo demais! Chorei litros e fiquei sufocada por horas!

Todo mundo fala super bem das obras do Nicholas Sparks, que eu também adoro... Mas, vou dizer uma coisa... Ele nunca conseguiu me emocionar como a Audrey Niffenegger conseguiu.

Enfim, se você quer aumentar a sua lista de livros favoritos, leia este o quanto antes!! É um dos livros mais perfeitos que já li!!!

Avaliação:



Skoob:
http://www.skoob.com.br/livro/4959

Para os cinéfilos de plantão... também há a adaptação do livro para o cinema. O nome do filme é "Te amarei para sempre". Eu o assisti antes de ler o livro e achei lindo!

Mesmo agora depois de ter lido a obra, posso dizer que a adaptação é muito boa! Como sempre, modificaram algumas coisas, retiraram alguns personagens... Mas, mesmo assim, o filme ficou bem legal! A única coisa sem graça é que também mudaram um pouco o fim... O fim do livro é bem mais lindo! No filme eu nem chorei...

Cliquem no título para mais informações, imagens, trailer, etc. Estou na biblioteca da PUC, o You Tube não é permitido aqui. Então, não pude colocar o trailer para vocês. o.O

Termino o post com uma frase de Henry:

"Te amo, sempre. O tempo não é nada."


Bom fim de semana pessoal!!

Últimos Instagrams

© Pensamento Tangencial. Design by FCD.